Give me a break!
novembro 24, 2009

Hunnnf ~.~

hunfff ~

Hum… como eu faço pra multiplicar cada um desses minutos perdidos no transito, ou de conversas indesejadas com pessoas desconhecidas e transformar tudo isso em pelo menos 1 minuto útil, ou pelo menos 1 minuto descansado.
Por mas que possa parecer absurdo o cansaço vem me corroendo e eu ainda não sei de onde ele esta chegando, talvez seja por eu estar usando energia desnecessária…. so queria poder render mais.

 

Na noite em que ia sair com a Julia acabei dormindo, jogada na cama coberta com a minha toalha, foi como se tivessem atirado em mim e eu so dormi. Não liguei, não me troquei, eu simplesmente queria estar ali… imóvel.

Provavelmente se eu pudesse escolher agora estaria na minha prainha,  um lugar que me traz um conforto absurdo… é um rio que vai de encontro com o mar, em épocas realmente  mágicas você escuta o mar batendo na pedra, e você esta naquela água doce, com as luzes da balada e uma péssima musica de discoteca de fundo. Mas so a sensação de que só tem você, o céu e o mar ali, uma conexão so entre os 3 já é valida.

Ai eu imagina a união de tudo isso e mais ele, o meu ombro, a minha vontade de sorrir… sabe aquele peito que te faz dormir? Aquele cara que faz você se tornar um panda preguiçoso, que é o único que consegue te fazer massagem sem machucar… o único que faz relaxar? Ai da vontade de sequestrar, jogar em um barco e fugir com ele, so pela sensação de aventura, só pra sentir aquela coisa de não ter compromisso com nada e mais ninguém além dele.

 

E tudo isso por que só estou pegando a um mês e meio o transito de São Paulo…..

So estou a 3 meses nesse novo serviço….

E só faltam 15 dias pras aulas acabarem…

 

…… Talvez eu seja uma garota mimada. 🙂

Who’s Right? ~
setembro 21, 2009

big-bang-theory_l

É sempre assim os casais começam a surgir, no começo o mundo so gira em torno de vocês, vocês passam a maior parte do tempo colados, ficam colados no sofá, colados na cama, colados na cozinha, colados embaixo do banheiro e colados em qualquer programação extra. Ai vai passando um tempo e você nota que precisa ter vida social obviamente, afinal de contas por mais que a gente queira acreditar com toda a energia necessária nada dura pra sempre, e por mais que dure você sempre vai precisar de alguém de fora pra analisar alguma coisa quando a coisa fica preta. Afinal relacionamento precisa de 2, 1 ser humano nunca será igual ao outro e se for pode ter certeza… sai fatality mesmo assim.

Ai depois de um tempo de convivência, depois de noites aonde vocês esquentam o pé de forma mutua a gente passa a conhecer a melhor e pior parte deles, mas é o começo e nada ta cansativo então ta sempre tudo ótimo, tudo é muito adaptável e flexível.

Ai depois que a relação deixa de ser a 2, depois que a relação deixa de ser entre família a gente passa pra parte mas critica a relação entre amigos. Por que por mais que a família seja importante os amigos são mais, eu sempre gosto de notar que amigos são pequenos fragmentos do que a gente é, por mais que sejamos completamente diferentes existem sempre pedacinhos nossos neles e deles em nós.

E tirando as coisas que você já não gosta na pessoa com quem você esta, você tem que superar isso duplamente no laço de relacionamento da sua pessoa*.

As vezes a gente se depara com pessoas que poderiam ser até mesmo mais sua amiga do que dele, você conhece gente chata pra caralho, você conhece o melhor comediante, você conhece alguma garota extremamente fofa, você conhece aquele cara fumante, você se diverte com todos eles bêbados zoando com o seu amado. Mas o pior é conhecer o amigo de longa jornada dele, por que não importa o que você passou com ele esse amigo sempre sabe mais….. ele ta o que uns 10 anos e 5 relacionamentos na sua frente?

Ai você para com toda cautela pra falar com ele, por que por mais que seu namorado te ame você quer que o grande amigo dele no mínimo tenha uma simpatia por você, e em um momento de diarréia verbal ele solta tudo. Todos os detalhes que seriam óbvios, todas as falhas de caráter que você sabe que ele tem mas não quer ver, todos os relapsos conscientes para ambos os lados e ele fala tudo. Todas as antigas jornadas de relacionamento dele, todas as ex’s, todos os problemas com as ex’s e todas as reclamações.

Por mais que tudo isso te assuste você sabe que no fundo ele não é tão assim, pode se tornar assim mas ser assim ele não é.

Você lembra daquele sorriso, daquele abraço, daquele eu te amo antes de dormir.

E antes de esquecer qualquer julgamento… seu, dele e dos outros se pergunta.

Será que ele conhece ele mais do que ele mesmo e mais do que eu um dia vou conhecer? Será que ele mudou e decidiu fazer tudo diferente ou serei eu apenas mais uma cagada?

Te amo~

Te amo~

Então, até quando tudo isso vai dar certo amor?